23 fevereiro 2016

IDENTIDADES MONSTRUOSAS

O autor Toby Allen criou uma identidade monstruosa para cada psicopatologia numa forma de torná-las mais facilmente compreendidas e combatidas. Vejam só:












22 fevereiro 2016

BOA SEMANA



"Num único beijo saberás tudo aquilo que tenho calado."
Pablo Neruda

21 fevereiro 2016

2º ANIVERSÁRIO DA MADALENA

Sou uma sortuda porque desde que esta princesa nasceu que faço parte da vida dela. Não sou tia de sangue, nem madrinha nem nada parecido mas sou alguém que gosta muitooooo dela. Espero apenas poder ter esta continuidade de sorte de a poder ver crescer e sorrir como só a pequenez linda dela sabe ser. E assim foi... com dois aninhos feitos pudemos estar ao lado dela para lhe cantar os PARABÉNS!





Nunca nada é para sempre!
nem o choro
nem o sorriso
nem a raiva
e nem a mágoa
Talvez o amor!
talvez o amor seja para sempre
mas tem de viver no olhos
e andar bem rente à pele
ser carne, nervo e osso

São Reis

19 fevereiro 2016

QUANDO OS FILHOS VOAM…



"Sei que é inevitável e bom que os filhos deixem de ser crianças e abandonem a proteção do ninho. Eu mesmo sempre os empurrei para fora.Sei que é inevitável que eles voem em todas as direções como andorinhas adoidadas. Sei que é inevitável que eles construam seus próprios ninhos e eu fique como o ninho abandonado no alto da palmeira…  Mas, o que eu queria, mesmo, era poder fazê-los de novo dormir no meu colo… 

Existem muitos jeitos de voar. Até mesmo o vôo dos filhos ocorre por etapas. O desmame, os primeiros passos, o primeiro dia na escola, a primeira dormida fora de casa, a primeira viagem… Desde o nascimento de nossos filhos temos a oportunidade de aprender sobre esse estranho movimento de ir e vir, segurar e soltar, acolher e libertar. Nem sempre percebemos que esses momentos tão singelos são pequenos ensinamentos sobre o exercício da liberdade. Mas chega um momento em que a realidade bate à porta e escancara novas verdades difíceis de encarar. É o grito da independência, a força da vida em movimento, o poder do tempo que tudo transforma. É quando nos damos conta de que nossos filhos cresceram e apesar de insistirmos em ocupar o lugar de destaque, eles sentem urgência de conquistar o mundo longe de nós. É chegado então o tempo de recolher nossas asas. 

Aprender a abraçar à distância, comemorar vitórias das quais não participamos diretamente, apoiar decisões que caminham para longe. Isso é amor. Muitas vezes, confundimos amor com dependência. Sentimos erroneamente que se nossos filhos voarem livres não nos amarão mais. Criamos situações desnecessárias para mostrar o quanto somos imprescindíveis. Fazemos questão de apontar alguma situação que demande um conselho ou uma orientação nossa, porque no fundo o que precisamos é sentir que ainda somos amados.

Muitas vezes confundimos amor com segurança. Por excesso de zelo ou proteção cortamos as asas de nossos filhos. Impedimos que eles busquem respostas próprias e vivam seus sonhos em vez dos nossos. Temos tanta certeza de que sabemos mais do que eles, que o porto seguro vira uma âncora que impede-os de navegar nas ondas de seu próprio destino. Muitas vezes confundimos amor com apego. Ansiamos por congelar o tempo que tudo transforma. Ficamos grudados no medo de perder, evitando assim o fluxo natural da vida. Respiramos menos, pois não cabem em nosso corpo os ventos da mudança. 

Aprendo que o amor nada tem a ver com apego, segurança ou dependência, embora tantas vezes eu me confunda. Não adianta querer que seja diferente: o amor é alado. Aprendo que a vida é feita de constantes mortes cotidianas, lambuzadas de sabor doce e amargo. Cada fim venta um começo. Cada ponto final abre espaço para uma nova frase. Aprendo que tudo passa menos o movimento. É nele que podemos pousar nosso descanso e nossa fé, porque ele é eterno. Aprendo que existe uma criança em mim que ao ver meus filhos crescidos, se assustam por não saber o que fazer. Mas é muito melhor ser livre do que imprescindível. Aprendo que é preciso ter coragem para voar e deixar voar. 

 E não há estrada mais bela do que essa."

Rubem Alves

15 fevereiro 2016

SILÊNCIO



"A melhor arma que temos para nos
defendermos de alguém que nos ofende, nos julga ou nos fere é o
SILÊNCIO.
Ele é tão poderoso que responde ao nosso ofensor com delicadeza, embora seja difícil para nós termos que usá-lo. 
O silêncio nos torna diferentes e nele se opera a justiça de Deus."

♡ Cecilia Sfalsin ♡

09 fevereiro 2016

(PARA MIM) A MAIS BELA CIDADE DA BÉLGICA: GENT!

Esta belíssima cidade vista pela minha lente... um pedaço apenas claro :D











08 fevereiro 2016

DO SORRISO QUE FICOU...

Fora o meu passeio pela mais bela cidade da Bélgica: GENT - para mim pelo menos - são os momentos com o meu netinho que me deixam com um sorriso, nem que para isso se esqueça tudo o "resto"...











"A única eternidade que nos é certa: continuarmo-nos em nossos filhos...como flor que morre na imortalidade da semente."
Mia Couto


BELISSIMAS TRADIÇÕES

05 fevereiro 2016

SENSIBILIZAÇÃO



Para sensibilizar a opinião pública sobre a crise da água limpa global, o artista Belo criou uma imagem composta de 66.000 copos de papel de águas pluviais simulando cores de impurezas encontradas na água em todo o planeta. Esta grande obra de 3.600 metros quadrados representa um feto no útero materno enfatizando a necessidade de água, mesmo antes do nascimento, para cada pessoa que vive.
 
LINDO 🌼

03 fevereiro 2016

SOMEWHERE


Eu sempre fui uma grande fã da Barbra Streisand e esta musica é simplesmente intemporal.... mas agora a mistura com este anjo é ... nem sei bem como dizer... só sinto pele de galinha. Escutem e deliciem-se!


Someday 
Somewhere 
We'll find a new way of living, 
We'll find a way of forgiving 
Somewhere

There's a place for us
Somewhere a place for us
Peace and quiet and open air 
Wait for us somewhere

There's a time for us
Someday a time for us
Time together with time to spare 
Time to learn 
Time to care 

Someday 
Somewhere 
We'll find a new way of living
We'll find there's a way of forgiving 
Somewhere 
Somewhere 
Somewhere

There's a place for us
A time and a place for us 
Hold my hand and we're half way there
Hold my hand and I'll take you there 
Somehow 
Someday 
Somewhere