03 outubro 2015

APROVEITAR AO MÁXIMO



Eles vão crescer e dispensar o nosso colo.
Vai chegar a fase em que os amigos serão mais importantes que os pais.
Que as nossas demonstrações de afecto serão consideradas uma grande atrapalhação. ...

Que em vez de torcemos para que eles durmam, torceremos para que cheguem logo a casa.
Que não se interessarão pelos velhos brinquedos.
Que o alvoroço na hora do almoço, dará lugar à calmaria.
Que os programas em família serão menos atractivos que as churrascadas com os amigos.
Que dirão coisas tão maduras que o nosso coração se irá apertar. Que começaremos a orar com muito mais frequência.
Que morreremos de saudade dos nossos bebés crescidos.

Por isso, vivam o agora. Relevem as birras. Contem até 10. Façam cócegas. Contem histórias. Dêm abraços de urso. Deitem-se ao lado deles na cama. Abrace-os quando tiverem medo. Beije as feridas. Soltem-se. Brinquem com as bonecas. Façam golos. Comemorem. Divirtam-se. Acordem cedo aos domingos para aproveitar mais o dia. Orem juntos. Estimulem-nos a cultivar boas amizades. Façam bolinhos juntos. Carreguem-nos ao colo.

Façam com que saibam o quanto são amados.
Passem o máximo de tempo juntos.

Assim, quando eles decidirem partir para os seus próprios vôos, ainda teremos tudo isso guardado no coração.

2 comentários:

Cris Tavares disse...

Grandes palavras sábias! Realmente é tudo verdade, agora, que ainda me vejo como filha e não como mãe. E confesso que a frase "ser mãe" apavora-me um bocado. Talvez pela minha imaturidade, quiçá.

R: muito obrigada pelo conselho da máquina fotográfica. Espero em breve poder comprar uma para mim.

Um beijinho, Cris.

http://deixa-me-contar-te.blogspot.pt/

D. disse...

Tão lindo. Tão verdade.
Tocou-me e por isso vou tentar cada vez mais guardar estas tuas palavras.