24 julho 2010

4 PORTAS DA MENTE

"Talvez a maior faculdade da nossa mente esteja na habilidade em lidar com a dor. O pensamento clássico fala-nos das quatro portas da mente, que todos atravessam de acordo com as suas necessidades.

Em primeiro lugar, a porta do sono. O sono possibilita-nos uma retirada do mundo e de toda a sua dor. O sono marca a passagem do tempo, permitindo-nos distanciar das coisas que nos magoam. Quando uma pessoa é ferida, é frequente que perca os sentidos. De igual modo, alguém que recebe notícias traumáticas poderá vacilar ou desmaiar. É esta a forma da mente se proteger da dor, passando pela primeira porta.

A segunda porta é a porta do esquecimento. Algumas feridas são demasiado profundas para sarar ou, pelo menos, para sarar com rapidez. Além disso, muitas memórias são simplesmente dolorosas e qualquer cura é impossivel. O ditado que diz que "o tempo cura todas as feridas" é falso. O tempo cura a maior parte das feridas. As restantes ficam escondidas atrás dessa porta.

Em terceiro lugar, vem a porta da loucura. Há alturas em que a mente sofre um golpe tão brutal que se refugia na insanidade. Ainda que isto possa aparentar não ser benéfico, é-o de facto. Existem ocasiões em que a realidade é apenas dor e, para escapar a essa dor, a mente precisa de deixar a realidade para trás.

A última é a porta da morte. O recurso final. Nada pode magoar-nos depois de morrermos ou, pelo menos, é o que nos é dito."

Passagem do livro "O nome do Vento" de Patrick Rothfuss

6 comentários:

Sofia disse...

A mim não me parecem formas de lidar com a dor, mas portas se podem tomar quando não somos capazes. E, repara,não tem mal nenhum não sermos capazes,às vezes é todo um processo de "digestão" ou de gestão.
Bem, com este post punha-me aqui a escrever e a escrever! Mas vou tentar dizer só que me salta depois de o ler: sono-ok, esquecimento-é mais aceitar as cicatrizes porque há coisas que não se esquecem mesmo, loucura- andamos todos,para sermos sãos, com alguma dose de loucura, não é? e a morte não a considero uma opção consciente (pode ser um recurso derradeiro e consciente em casos muito muito muito especificos) a e sim magoamo-nos mais profundamente que em qualquer outra situação. Acredito que essa dor não se vá embora com a morte, deve ficar uma sombra bem escura algures!
Repara que o sono, o esquecimento e o desejo da morte podem ser sinal de depressão... até com marcadores quimicos evidentes. E um deprimido, ainda mais nesse estado, precisa de ajuda, pode ver-se num poço sem saida, sabemos que é dificil, mas que vale a pena retornar á vida... Agora lembrei-me: leste "Veronika decide morrer?"...é um ensaio engraçado!

Paula disse...

Já passei por momentos de grande depressão... uns piores que outros e sempre consegui vir ao de cima... mas tenho tendência de cair com muita facilidade, pois não tenho tido muitos momentos para os quais possa sorrir... muito pelo contrário...
Estou a ler este livro (do qual passei este pedaço), e identifiquei-me com esta passagem... são momentos!

O Livro da "Veronika decide morrer" também já o li... e engraçado que o li num dos piores momentos da minha vida... e I'M STILL HERE!

Tendo sugar forças onde ela não existe... mas um ser humano aguenta até um certo ponto... depois não sei...

Mais uma vez obrigada pelas tuas sábias palavras lindinha***

najla disse...

A minha porta do esquecimento é um portão! E a porta do sono resulta mesmo!

Paula disse...

Njala,
Um dia emprestas-me o teu portão pode ser?
Beijinhos***

brisa disse...

Sweet Paula,eu posso falar-te do esquecimento,por exemplo...ele existe para ajudar a suportar os traumas,mas ás vezes a porta do esquecimento abre...e temos que voltar a fechá-la,porque o passar do tempo nao suavisa!Um dia ,depois de ter chegado á conclusao de que deveria arrumar os meus traumas ,exorcisar os meus fantasmas,fui encaminhada para um grupo de terapia para pessoas que sofriam, de solidao e abandono...aí entendi o porquê de ser tao esquecida...o meu cérebro ,segundo o Dr Mario David,programou-se para esquecer feridas ,que esqueceu outras tantas coisas também!Foram vários anos a esmiuçar os fantasmas,mas foram anos de aprendizado,sobre mim ,e sobre os outros!Se continuo esquecida?Claro que sim...mas mais consciente das razoes ,e já nao me preocupa tanto!Depressao Paula ,toca a todos ,mas a coragem de falar sobre ela é sempre pouca,porque ainda temos uma mentalidade muito tacanha ,miudinha mesquinha e tendemos a ver tudo como loucura...nao é nada assim!Todos os seres humanos têm o seu grau de neurose...os génios foram muitos deles ,absolutamente neuróticos ,com patologias graves até,e desvios de comportamento sérios!Sweet Paula,entendo-te!beijinhos !

Paula disse...

Sweetie... eu sei que me entendes como eu te entendo a ti... e sei que estás aí...
Beijocas e adoro-te***