21 fevereiro 2013

UMA HISTÓRIA... COMO TANTAS OUTRAS...



"A vida de cada um de nós dá certamente um livro. Cada ser humano tem uma história para contar... uns mais felizes que outros mas todas elas merecem respeito e a sua devida atenção. E tanto se chora com uma vida simples e feliz, como com o de uma pessoa que passou por muito, vencendo ou nem por isso. A vivência de cada história é única.

Querer procurar e desejar ser amada é tanto que leva as pessoas a cometerem a maior das loucuras. A falta de auto estima e o aproveitamento de outros chega a ser doentio. Quando uma adolescente engravida e não sabe o que fazer, instintivamente pede, a quem de direito, a ajuda maior: aos pais. E quando esses também não têm capacidade de dar a ajuda precisa? O mundo desaba... 

Foge-se para onde? Possivelmente para onde se poderá sentir minimamente segura. O mundo desaba novamente quando esse porto seguro é ainda igual e/ou pior do que aquele de onde veio. Voltar? Fora de questão. Assume-se, aceita-se, embraiagem colocada, mudança posta e para a frente é que o caminho. Num mundo cheio de curvas, rotudas e muitos sinais de STOP, vai-se com o pedal a fundo. A aposta foi feita. A aposta poderá ter sido a menos acertada... Mas nos entretantos há que cuidar dessa alma que a vida lhe ofereceu, e que ela aceitou cuidar contra tudo e todos. Com o tempo a vida dá-lhe outra vida para tomar como sua. O tempo passa e a primeira corre para longe, bem longe... o segundo ainda perto mas com o coração já apertado...

Com um coração cheio de incertezas vai-se confiando em quem lhe dá a mão... e quem lhe dá mais a mão foi a mesma que a comeu. Os fantasmas são horriveis!

Revolta! Regressa-se então.... mas desta vez a vida oferece-lhe não um ser para tomar conta, mas antes um que tome conta dela. Um sorriso começou a crescer e a vida começou a ganhar alguma côr.

O regresso volta a não correr como esperado... as coisas e as pessoas são como são e a sua natureza não muda. Um (re)regresso de onde se fugiu a primeira vez. O confronto é doloroso mas a solidão já não existe. A unica solidão que existe é da desistência e o não entendimento da primeira alma., assim como uma raiva incompreensivel por quem tanto se amou e se deu. O afastamento é encarado, aceite... a vida continua."

~Esboços de Quem Eu Sou~

7 comentários:

Mariposa Colorida disse...

Há que ter coragem em não voltar!

Marta disse...

É isso mesmo que procuro, um ser que tome conta de mim. Estou cansada de tomar conta de toda a gente e ao final do dia sentir a falta de "colo".

Beijinhos

Turista disse...

Querida Paulinha, histórias verídicas ou fantasiosas, mas que são de paixão...
Beijinhos.

carla disse...

"... a vida continua." É esse o cerne da questão. E a resposta está na maneira como a decidimos continuar...

Um beijo grande, grande.

Uma boa parte de mim disse...



Aceitar não é necessariamente desistir, mas sim deixar entregue à sabedoria da Vida aquela parte do caminho que já não depende de nós. E acredito que sempre, sempre, um dia, na curva da estrada, encontramos as respostas para o que não fazia sentido.

Abraço-te, querida Paula

marina disse...

E temos de saber continuar a tentar ser feliz, é o que estou a fazer, mas profissionalmente...

Vera, a Loira disse...

Que lindo, gostei.