24 janeiro 2013

EGO DE CARNEIRO


Sou uma pessoa que evita ao máximo discussões e confrontos. E só me passo quando a mostarda já passou muito para o lado de cá... mas é preciso me magoarem muito.

Tenho um ex que nunca se preocupou com os filhos, e pensão de alimentos já não sei o que é isso há anos... e, apesar de não ver os filhos há anos (isto mais pelo meu filho pois a minha filha já faz a vida dela e já decide por ela), eu fiz questão de o avisar que estava de regresso à Bélgica e que podia ver o filho quando quisesse desde que: não atrapalhasse os horários escolares & que me perguntasse. Tudo super normal até aqui, digo eu...até porque não lhe pedi absolutamente nada a não ser que trate bem o filho.

A questão do ME PERGUNTAR é que não entrou bem dentro daquela cabecinha de Carneiro Egocentrista. No inicio não queria por nada me perguntar seja o que for, o que resultou com ele aos gritos ao telefone e eu a desligar-lhe o telefone. Achava que simplesmente bastava perguntar ao miudo se ele queria ir e o garoto ia assim só do nada... pois enganou-se redondamente. Não entra na cabecinha rija dele que o miudo não decide nada. Tenho em consideração se ele quer ou não ir pois o que mais quero é ver o meu filho bem e feliz mas, se eu entretanto tiver planos não vai ser o miudo e muito menos esta criatura que vai decidir a minha vida.

Esquece-se que somos dois adultos, para além de pais, e que deve de haver o minimo de comunicação possivel. Não precisamos de andar aos beijinhos mas que uma relação amistosa só facilita. Mas se não a quiser ter tem bom remédio...

Mas entretanto ele arranjou a sua técnica para não ter de pedir nada... chama-lhe de burro... ele apenas informa, desde género: "O Ethan quer passar este fim de semana comigo"... agora digam-me lá qual é a resposta que esta criatura merece? A minha vontade é logo dizer "E?"... mas como não vim à procura de chatisses e se meu filho quiser ir eu deixo-o ir sem mais um ai. Até porque se o miudo não quer ir é ele o primeiro a dizer ao pai...

Mas há que ter paciência para gente quadrada!

18 comentários:

Alice disse...

Estas questões são sempre muit complicadas. e ainda sobressaiem mis quando os pais usam os filhos como arma de arremesso para te chatear, como é o caso do teu ex.

Tens de ter paciência e possivelmente, mudares de téctica não sei. Falar como eu é fácil, principalmente porque nunca passei por isso, nem sei bem como opinar para ajudar.

Bjs

S* disse...

Tal e qual o meu irmão... ele evita discussões à força toda, é muito calminho.

Pretty in Pink disse...

E tendo em conta o que esse homem já te fez, ele devia-se dar por muito contente da posição que tu tomaste e que te dignes a falar com ele, porque se fosses outra pessoa qualquer ele nunca mais via os filhos...

Beijinho*

Gaja Maria disse...

Haja paciência... Concordo contigo, o teu filho é que deve decidir se quer ou não ir e tu fazes tudo por ele, até aguentar uns quantos desaforos. Já quanto ao resto, fazes bem, evita chatices mas não te deixes pisar, Não precisam ser assim tão amigos, mas uma relação amistosa era bom para o teu filho. Espero que o pai se enxergue. :D

Paula Nogueira Guerra disse...

A questão Alice é mesmo essa, usar os filhos para outros fins que não a felicidade dos filhos...
Não gosto de jogos desses!

Beijos doces xxxx

Paula Nogueira Guerra disse...

O que é que ganhamos com discussões querida S*???
NADA!

Paula Nogueira Guerra disse...

Podes crer querida Pretty Pink... ele nem isto merece, mas em prol do meu filho eu deixo-o estar com o pai. Mesmo que ele não seja o melhor exemplo é pai... e o meu garoto há-de ver com os olhos dele o que ele é... assim como a minha filha viu e sentiu na pele.

Um beijo doce xxxx

Paula Nogueira Guerra disse...

Claro que sim querida Gaja Maria, os miudos devem de ter algo a dizer e sem imposições de ninguém... sei bem o que isso faz a longo termo na cabeça de uma criança...

Desde que ele esteja bem é o que me importo. A partir do momento que ele não gostar mais de ir ele mesmo se chega à frente!

Beijo carinhoso xxxx

carla disse...

Li este post e lembrei-me logo de algumas discussões que tive em tempos com o meu ex, pai do meu filho mais velho. Tal e qual (até a parte das pensões). Curiosamente, a criatura é Carneiro...

Beijos grandes Paulinha e calma...

Tanita disse...

O que uma Mãe não faz pelo bem estar dos filhos? tu és uma mulher excepcional, correctissima e de bom coração. Mas haja mesmo paciencia...boa sorte querida.
Bj**

Paula Nogueira Guerra disse...

Carlinha,
Os carneiros não têm nada que enganar infelizmente... chego a ter pena da pequenês deles!
Mas há que ter paciência para ligar com pessoas destas;

Um beijo doce xxxx

Paula Nogueira Guerra disse...

Linda Tanita,
Paciência transbordas mas há dias e dias...
Quero ver o meu filho feliz e se ele quer estar com um pai que só quer tem interesse em estar com ele porque não tem mais ninguém (a familia não quer saber dele e nem mesmo a filha...) mas é do meu filho vivenciar isso por ele mesmo).
Faço o meu melhor e isso é o que me importa!

Beijinho carinhoso xxx

marina disse...

Fazes bem, se há coisa que eu não suporto, são as mães que proibem os filhos do contacto com os pais, e é certo que muitos pais não querem saber dos filhos,outros há que adorariam estar com eles.
Acheo que deves tentar sempre ouvir o teu filhote, só ele importa.
Beijinho

Benedita disse...

Que idiotice e quanto tempo e energia perdida. Sabes que até há uma ano meio atrás (antes do acidente do pai do Sal), eu vivia uma excelente relação com o pai do meu filho em relação ao nosso filho. O nosso casamento havia falhado mas em relação ao filho não haviam dúvidas: ambos queríamos a sua felicidade e tudo corria mais ou menos bem. A partir do mmento em que casou com uma atrasada mental, (que ao inicio até me mereceu todo o respeito mas que depressa o dispensou) ela começou a fazer-lhe a cabeça (ciúmes que tinha de um garoto de 3 anos) e ele tornou-se conflituoso e omisso. Mudou-se para um terra longe do filho e passou a vê-lo numa vez por mês.
Agora a vida encarregou-se de lhe alterar profundamente a vida, e jamais as coisas serão iguais, mas todos os conflitos gerados, todas as discussões e perturbações causadas no meu mini, foram absolutamente em vão...
Beijos grandes amiga

aNaMartins disse...

são questões muito delicadas, é preciso muita paciência para entender estas pessoas que do nada lembram-se das suas responsabilidades. enfim, pai não é pai uma vez ao ano e nem de vez enquando ou é, ou não é.

beijoca

Paula Nogueira Guerra disse...

Marina
Pois eu conheço pessoalmente quem o faça (proibir os filhos de estarem com os pais - o meu marido passa bem por isso). Eu jamais iria fazer tal coisa a não ser que o meu ex fosse agressivo com os meus filhos... já houve essa época e por isso houve imensa policia e tribunal pelo meio. Para já, as coisas vão correndo mais ou menos ok. Os próprio miudo decide um pouco o que quer e como quer. Ele já teve dias de não querer ir quando não quer é ele que diz ao pai.

Haja paz e os miudos felizes, é o mais importante!

Um beijo doce xxxx

Paula Nogueira Guerra disse...

Sabes querida Benedita é aquelas mulheres parvas que acham que uma nova mulher na vida dos ex maridos as vais substituir. Ninguém substitui ninguém... e há quem não consiga ver que basta as crianças estarem bem para nós estarmos bem também. Deveria de ser assimn mas , na maior parte das vezes, o egoismo fala mais alto, só que se esquecem que a vida devolve tudo o que lhe damos. E quando isso acontecer é tarde para desfazer o mal feito.

No meu caso, o meu ex já nem contacto tem com a filha porque ELA não quer nada com o pai... fez-lhe tantas e tão poucas que a miuda agora não quer nada com ele. É triste mas lá está, foi o que ele semeou. O meu filho... um dia abre os olhos, mas será por ele e não por mim.

Eu quero sossego, quero ver o meu filhote bem, o resto são detalhes na vida de cada um. Faço o meu melhor mas o resto não me pertence.

Haja iluminação na cabeça desta gente má e teimosa!

Beijoca doce xxxx

Paula Nogueira Guerra disse...

É verdade querida Ana... pai não é só de nome e não é só para pagar pensão de alimentos (coisa que nem isso o meu faz...) mas ok!
Não vivo em função do dinheiro apesar de saber que ele faz falta sim principalmente em crianças que estão a crescer. A minha filha foi privada de muita coisa e o meu filho tem apenas o essencial. Mas isso não faz mal... faz-los até dar mais valor às coisas que têm.
Preferia um pai presente que realmente quisesse saber e se preocupasse verdadeiramente com os filhos do que todo o dinheiro do mundo. Bastava até ele apenas por mês comprar uma ou outra peça de roupae que os amasse do coração, do que não sei quantos euros por mês. Mas quando nem o essencial fazem não se pode pedir o que realmente é de obrigação...

Eles criam-se e o meu amor é verdadeiro. Cada um sabe de si certo?

Beijoca doce xxxx